Extensão » Politica de Extensão
 

POLÍTICA DE EXTENSÃO

1. APRESENTAÇÃO:

 

O ISPTEC concebe a actividade de extensão universitária como uma forma de reunir e administrar os esforços, recursos e acções para tornar o conhecimento acessível à sociedade. Neste sentido, compromete-se com a construção de projectos de integração com a comunidade, contribuindo para o desenvolvimento integral da região e do país e, consequentemente, melhorar a qualidade de vida das pessoas. Em concordância com estes preceitos, a Política de Extensão é orientada pelas seguintes directrizes:

 

a) prática académica dialógica entre a Instituição de Ensino e a sociedade, sustentada na relação com o ensino e a pesquisa;

 

b) produção e disseminação de conhecimentos advindos da comunidade académica;

 

c) instrumento para problematizar e buscar respostas às questões sociais, na perspectiva de qualificar a vida da população, em especial local e regional;

 

d) acção interdisciplinar, multidisciplinar e transdisciplinar, que contribui para o processo de inclusão social e efectivação dos direitos humanos;

 

e) instrumento de formação de profissionais tecnicamente competentes e eticamente comprometidos com uma sociedade mais justa e fraterna;

 

f) extensão como uma acção que deve ser desenvolvida de modo a tornar as comunidades autónomas, evitando-se dependência ou assistencialismo;

 

g) referencial na formação científica e cidadã do estudante.

 

A política de extensão do ISPTEC é efectivada por meio das seguintes modalidades: programas, projectos, cursos, eventos e prestação de serviços.

 

2. OBJECTIVOS:

 

– Exercitar o papel transformador da Extensão na relação do ISPTEC com todos os sectores da sociedade no sentido da mudança social;

 

– Garantir a dimensão académica da Extensão Universitária, quanto ao seu impacto na formação do estudante, superando a tradição de desenvolvimento de acções isoladas, particularmente na área de prestação de serviços;

 

– Fortalecer a relação autónoma e crítico-propositiva da Extensão por meio de programas estruturantes, capazes de promover o impacto social;

 

– Actualizar as áreas temáticas da Extensão Universitária de forma a aumentar o seu grau de consonância com os desafios contemporâneos e as demandas inter e transdisciplinares;

 

– Estabelecer bases sólidas de financiamento da Extensão Universitária;

 

– Priorizar o desenvolvimento da Extensão Universitária enquanto produção de conhecimentos sistematizados, voltados para a emancipação dos actores nela envolvidos e da sociedade como um todo;

– Assegurar o uso de tecnologias educacionais inovadoras e efectivas nas acções de Extensão Universitária, de forma a garantir o seu fortalecimento;

– Estimular o protagonismo estudantil no processo de mudança da educação superior.

 

3. ÁREAS E LINHAS TEMÁTICAS:

 

• Meio Ambiente e Sustentabilidade: preservação e sustentabilidade do meio ambiente; meio ambiente e desenvolvimento sustentável; desenvolvimento regional sustentável; aspectos do meio ambiente e sustentabilidade do desenvolvimento urbano e rural; educação ambiental; gestão de recursos naturais e sistemas integrados para bacias regionais. A linha temática desenvolvida nesta área é Educação Ambiental;

 

• Tecnologia e Produção: transferência de tecnologias apropriadas; empreendedorismo; empresas juniores; inovação tecnológica; polos tecnológicos; direitos de propriedade intelectual e patentes. As linhas temáticas desenvolvidas nesta área são Desenvolvimento Tecnológico e Empreendedorismo;

 

• Educação: educação básica; educação e cidadania; educação e ensino de línguas; educação à distância; educação contínua; educação de jovens e adultos; incentivo à leitura. A linha temática desenvolvida nesta área é Línguas Estrangeiras e Desenvolvimento Humano.

 

4. ACTIVIDADES DE EXTENSÃO NO ISPTEC:

 

 

Até ao final deste ano lectivo, será lançado o primeiro edital do Programa Institucional de Iniciação à Extensão (PIEX). No que tange a projectos em fase de final de desenvolvimento, encontram-se a Empresa Júnior e o Centro de Estudos Socioeconómicos. Foram eleitos como projectos a serem implementados a curto prazo o Centro de Prestação de Serviços (CPS) e a médio prazo o Centro de Incubação de Empresas (INCUBE).

 
 
« Voltar